Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A Binter Cv foi “obrigada” a fazer um voo excepcional para transferir os dois acidentados com traumatismo craniano.

Os dois acidentados com traumatismo craniano que tinha ficado ontem em São Filipe porque não havia condições de os transportar por via marítima na pequena embarcação da guarda costeira chegaram nesta manhã no hospital da Praia por via aérea num voo excepcional da Binter.

A nova companhia aérea já começa a sentir a pressão de operar sozinha na insularidade cabo-verdiana e mesmo sem condições para evacuar doentes em maca teve de deslocar a pedido do governo para resolver a situação desses dois pacientes.
Trata-se de um jovem de 23 anos e um adulto na casa dos 50 anos com traumatismo craniano e em estado que inspira cuidados, vítimas de um acidente de viação ocorrido na noite de domingo na estrada que liga Monte Grande a Monte Largo, na ilha do Fogo.
A Binter, que não tem ligação Praia/São Filipe/Praia às terças-feiras, deslocou-se propositadamente para transportar os dois acidentados, sendo que no percurso Praia/São Filipe trouxe apenas a tripulação e um mecânico e no regresso levou os dois pacientes e o pessoal de saúde que acompanhava os mesmos.
O processo de embarque das duas vitimas foi demorado e com muito cuidado, porque foi feito pela porta normal de embarque de passageiros, sendo que as macas foram colocadas sobre os assentos do avião para se poder efectuar o transporte.
Os familiares das outras vitimas que foram obrigada a submeter ao balanço do mar questionaram o porque de encaminhamento de uma parte via marítima e numa embarcação de reduzidas dimensões se havia possibilidade de se fazer deslocar o avião.